terça-feira, 17 de março de 2009

Nesses meus últimos dias de tristeza - passou! Tô lendo um livro bom! -, eu lí, por influência do Paulo, muito Vinícius de Moraes. Lí tudo de novo! Tudo que eu já sei quase decor e salteado de tanto que eu leio, gosto e me identifico. Mas uma poesia me chamou atenção. Primeiro, porque antes ela não fazia parte do meu cotidiano, como tantas e tantas outras. E hoje faz. Segunda porque "enjoadinho" é a palavra exata para descrever meus filhos nesses últimos dias.

O João virou celebridade: tá nos outdoors, tvs e cartazes pregados em todos os estabelecimentos comerciais de Parauapebas-PA. E ainda tem panfletos...uns 50 mil, distribuidos por toda a cidade. É um barato ele se vendo, enoooooorme. Ele coloca a cabeça pra fora do carro e grita: "Ooooooooolha o João fazendo 'barulho não!" na parede! E fica assistindo tv o dia inteiro pra se ver.

O Matias continua não dormindo a noite, só fica no colo, não come papinha salgada...caçula, né?!

Poema enjoadinho
Filhos . . . Filhos?
Melhor não tê-los!
Mas se não os temos
Como sabê-lo?
Se não os temos
Que de consulta
Quanto silêncio
Como os queremos!
Banho de mar
Diz que é um porrete . . .
Cônjuge voa
Transpõe o espaço
Engole água
Fica salgada
Se iodifica
Depois, que boa
Que morenaço
Que a esposa fica!
Resultado: filho.
E então começa
A aporrinhação:
Cocô está branco
Cocô está preto
Bebe amoníaco
Comeu botão.
Filhos? Filhos
Melhor não tê-los
Noites de insônia
Cãs prematuras
Prantos convulsos
Meu Deus, salvai-o!
Filhos são o demo
Melhor não tê-los . . .
Mas se não os temos
Como sabê-los?
Como saber
Que macieza
Nos seus cabelos
Que cheiro morno
Na sua carne
Que gosto doce
Na sua boca!
Chupam gilete
Bebem xampu
Ateiam fogo
No quarteirão
Porém que coisa
Que coisa louca
Que coisa linda
Que os filhos são!

2 comentários:

Paulo disse...

Sabe que quando vi o documentário do Vinícius e este poema é declamado lá, lembrei de você na hora!

Tua cara!

Hirche disse...

Poemas... blé.

Sobrinhos YES!
Filhos NO!
Cachorros RULES!